BITHOVEN

Design de interação para gamers surdos

Meu projeto de mestrado

Os games são uma das principais formas de entretenimento, mas sem sempre oferecem boas experiências ao jogador surdo. Muitas vezes a paisagem sonora é a única informação que fornece um feedback, causando assim frustração para quem não ouvinte. Este trabalho apresenta o desenvolvimento de uma interface que tem como finalidade tornar o universo dos games mais acessível para as pessoas surdas.

Para que esse objetivo fosse alcançado, o projeto se baseou em compreender a cultura surda e entender as dores do usuário, para que fossem criadas ferramentas que amenizassem de forma assertiva os principais problemas encontrados. A interface criada também foca na centralização de conteúdos pertinentes ao gamer surdo, para que uma sólida comunidade seja criada e cresça.

Para assegurar uma boa usabilidade, foi definido um fluxograma com os possíveis passos do usuário. Ele trata do passo de instalação até o uso da plataforma. Essa etapa foi importante para definir as principais telas e assegurar uma coerência na navegação, apesar de que, durante a construção do layout, alguns pontos foram alterados para melhorar o resultado final.

A construção da assinatura visual, também, foi feita a partir da primeira malha. Para que assim os espaçamentos entre símbolo e logotipo pudessem ter uma boa relação.

A tela principal do programa exibirá os últimos jogos executados pelo usuário. Podendo ele acessar a tela interna do jogo ou ter um acesso rápido ao radar.

Através da funcionalidade de “modo de exibição” o usuário poderá escolher a melhor forma de listagem que se enquadra para a sua navegação. Nos exemplos abaixo é possível encontrar a navegação em lista e uma navegação que já exibe o conteúdo interno da página.

O usuário terá acesso a uma janela de preferências, onde conseguira adaptar os ajustes ao seu uso. Ele poderá, por exemplo, alterar o tamanho do texto e escolher um padrão de cores diferente do standard da plataforma. Visando assim gerar maior acessibilidade com todos os usuários.

O usuário também poderá personalizar a tradução para Libras. Podendo escolher onde o personagem ficará (sendo três opções), pela desativação da tradução (visando surdos oralizados que preferem fazer a leitura do texto) e que a tradução seja feita apenas quando existir a interação com o cursor e uma tecla de atalho.

!--Text -->

Os usuários também poderão interagir na página da comunidade respondendo o artigo ou outros comentários. Para facilitar os usuários que querem conversar através da Libras foi inserido o botão “responder com vídeo”.

A página de MOD’s sempre indicará alguma aplicação em destaque. Mostrando já uma opção para baixar o mod, caso já não o tenho instalado e alguns reviews dos usuários. Abaixo será possível encontrar um filtro e uma funcionalidade para enviar um MOD.

A primeira página interna de um jogo exibirá o radar favorito do usuário, assim como a opção de criar um novo, os MOD’s que ele tem instalado daquele jogo e uma avaliação do jogo feito pela própria comunidade, levando em considerações fatores sobre acessibilidade.

O usuário terá 4 modelos padrões para a representação sonora. Cada um poderá ser editado da melhor forma que se enquadrar ao jogo escolhido. A opção de “animar radar” irá trabalhar com o aspecto sinestésico do som e trabalhar outras formas de visualização, utilizando partes do próprio radar para dar a sensação de intensidade, duração e distância.

Ao ativar a perspectiva a grade que ajuda na composição do radar, mudará. Dessa forma, facilitando a visualização no formato desejado.

!--Text -->

Cada radar poderá desempenhar diferentes funcionalidades, dependendo da forma que for personalizado. Abaixo temos o exemplo de um radar horizontal, que funciona melhor em jogos 2D do estilo plataforma.

Pessoalmente, este trabalho proporcionou-me conhecer uma cultura que outrora era me era distante, sendo eu mesmo o culpado disto. Essa situação me levou a refletir sobre quantas vezes fui negligente com determinado grupo de pessoas durante o projeto de alguma interface.

Porém, sendo uma antítese, também me possibilitou conhecer formas com que o design pode solucionar impasses criados por algum meio que não fornece meios acessíveis de serem utilizados. Foi um processo de evolução de projeto, acompanhando por uma evolução pessoal. Por fim, um dos maiores prazeres que tive em todo o projeto, foi de ler a última resposta de uma gamer surda na entrevista qualitativa:

“Agradeço de coração por tentar melhorar a vida do surdo”.